Pular para o conteúdo

Antony Devalle

Antony DevalleFiz faculdade de comunicação social (habilitação jornalismo) na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Trabalhei no Centro de Tecnologia Educacional da própria universidade, principalmente com o projeto Memória da Imprensa carioca, que desenvolvi. Também trabalhei na revista Cadernos do Terceiro Mundo, um símbolo de bom jornalismo pra mim. Esse período foi de 1997 a 2003, quando comecei a trabalhar, como concursado, na Petrobras (ex-Petrobrás - a retirada do acento faz parte do longo processo de privatização e desnacionalização da empresa, que está agora numa fase aceleradíssima). Em paralelo, até 2004, fiz, também na Uerj, uma pós-graduação em história das relações internacionais. Desde criança, adoro história, literatura e línguas, e, desde jovem, me interesso muito por geopolítica. E trabalhar na Petrobras é estar no meio de gigantescos movimentos geopolíticos, muitas vezes escondidos sob a naturalização de um projeto em que a mercantilização da vida é um dos principais fios condutores. No jornalismo, questiono o mito da imparcialidade. Como petroleiro, luto contra o mito da neutralidade da técnica, que tem sido uma das principais varinhas mágicas do aprofundamento aceleradíssimo da privatização e da desnacionalização dessa que podemos considerar como a principal jóia da coroa do patrimônio estatal e potencialmente público do Brasil. Esse mito é tão forte que uma parcela considerável dos que criticam a privatização em curso se pauta por ele. Como parte do esforço mencionado, participo do Portal Autônomo de Ciências (https://midiaindependente.org/?q=pac).

E-mail:  1789a1871@gmail.com

pt_BRPortuguese
en_USEnglish pt_BRPortuguese