Pular para o conteúdo

Alberto de Lima

Incomodado com a naturalização da engenharia, de seus métodos e seus efeitos e com a quase ausência das discussões relativas ao binômio tenociência-sociedade durante a graduação, encontrei algumas respostas ao me aproximar da militância extensionista em engenharia na própria UFRJ, que tem no SOLTEC (Núcleo de Solidariedade Técnica) um de seus principais pilares. Como fruto desta aproximação, ingressei na linha de Informática e Sociedade do PESC/COPPE/UFRJ, onde defendi dissertação de mestrado propondo abrir a caixa preta dos projetos/discursos de Inclusão Digital no Brasil, trabalho que, para além das correlações tipicamente acadêmicas, me permitiu uma aproximação com um Brasil profundo e rico, normalmente ausente das páginas de dissertações em engenharia; locais como Vigário Geral, Complexo da Maré, Complexo do Alemão e sua gente. De volta à linha de pesquisa para o doutorado, meu interesse é revisitar alguns episódios da história da informática no Brasil, com destaque para os discursos, metáforas e artefatos que serviram de amálgama para experiências que vão da chegada dos primeiros computadores ao país, passam pela reserva de mercado no período da ditadura militar e terminam nas políticas públicas de incentivo ao software livre nos anos 2000. Sou professor do Cefet/RJ atuando na educação profissional de nível médio, milito no sindicato docente, gosto de poesia e de fazer trilhas nas montanhas do Rio de Janeiro.

E-mail: alberto@cos.ufrj.br

Currículo: http://lattes.cnpq.br/9941167719157263